Início Reviews e Guias Seria V de Vingança uma releitura de 1984?

Seria V de Vingança uma releitura de 1984?

57
2
COMPARTILHAR

Obra clássica da literatura inglesa, 1984 de George Orwell nos mostra um Inglaterra controlada por um partido totalitário que governa com punho de ferro, impedindo as liberdades individuais e controlando socialmente a população, exatamente como em V de Vingança. Seria então V de Vingança uma releitura de 1984?

 

Obviamente Moore conhecia bem esse clássico da literatura e tomou emprestadas diversos ideias para a criação de sua obra. Vários conceitos são semelhantes e nos levam diretamente a uma atualização da visão crítica do totalitarismo utilizada por Orwell no romance. Mas vale ressaltar que a história viaja muito além de uma mera releitura. Para essa análise, vamos ressaltar primeiro o que as obras têm em comum.

 

George-Orwell-1984-Nas duas obras o poder é exercido pelo controle social. Uma grande tela reflete a imagem do líder do partido, que discursa a favor do governo e inspira um sentimento nacionalista nos cidadãos por meio de uma rede de televisões que não pode ser desligada.

 

Com um adicional em V de Vingança, que também conta com o controle religioso no país, que teve sua origem após uma praga ter devastado grande parte do mundo, mas poupado a Inglaterra. O motivo de tal “milagre” é explicado no decorrer da graphic novel.

Também nas duas obras, tudo considerado artístico é proibido. Os cidadãos comuns não tem acesso a grandes clássicos da literatura e arte. No desenrolar das histórias, os protagonistas (Evey, na sala V em V de Vingança e Winston Smith, na loja de contrabando de bens, em 1984) são seduzidos pela vida simples e acesso a cultura que eram possíveis em “tempos passados”, sendo assim motivador da rebelião pessoal do personagem contra o sistema totalitário em que vivem.

 

Além das óbvias diferenças estruturais das duas mídias, entre um livro e um quadrinho, o que difere as duas obras é a atuação do personagem (V, em v de vingança e Smith em 1984) de rebeldia ao sistema que vive.

 

Enquanto o protagonista de 1984 é muito mais passivo e impotente perante o governo centralizador chamado Ingsoc, mostrando uma resistência muito mais intelectual e econômica do que ativa, em V de Vingança temos um herói que usa de meios violentos e agressivos inspirado no anarcoterrorismo de fim do século XIX para a derrubada do governo.

 

Talvez o motivo para essa disparidade de ação dos protagonistas das obras seja motivada pelas motivações políticas de seus escritores. Orwell, apesar de criticar o regime marxista-leninista da União Soviética, se dizia um socialista democrático. Ou seja, via na democracia direta e sufrágio universal, além do respeito às liberdades e direitos civis, como um meio de consolidar o socialismo.

 

Essa ideia talvez seja inspirada no Socialismo Fabiano britânico defendido por intelectuais como Bertrand Russel, Virginia Woolf, H. G. Wells e Bernand Shaw. Uma alternativa muito mais pacifista e progressista do que o marxismo-leninismo, o Socialismo Fabiano prevê reformas sociais graduais e defende a filosofia pragmática, comum a filósofos britânicos, se opondo a revolução armada. A Sociedade Fabiana está intimamente ligada à fundação do partido trabalhista britânico.

Moore, no entanto, representa um ideal mais próximo do anarco-comunismo. Grupo inspirado nas ideias do anarquista russo Mikhail Bakunin, que prevê a total abolição do estado por meio do confronto direto para instaurar uma sociedade autogerida de pequenas comunas administradas por assembleias comuns. O terrorismo segundo a visão de alguns bakunistas é um meio de ação direta válida contra os abusos do estado.

 

Seja qual forem às motivações dos escritores, a mensagem nas duas obras é a mesma: Impeçam o estado de concentrar poder e regular as liberdades civis. Em ambos vemos como um estado de poder único sem representatividade e extremamente corrupto consegue usar do controle social nos cidadãos e, aliados a uma vigilância total da atividade de todos seus cidadãos, consegue se manter no poder.

 

Portanto não faz sentido ler a obra de Moore, incorporar a máscara do protagonista principal e ir as ruas clamar por intervenção militar ou concentração de poder e vigilância nas mãos do estado. Seja em 1984, no V de Vingança ou até refletido em outras obras do meio geek como Star Wars e Jogos Vorazes a critica social é a mesma. Valorizem a liberdade, desconfiem do governo e desafiem autoridades que não se validam socialmente

312551-90237-v

Facebook Comments

2 COMENTÁRIOS

  1. Caro. Análise clara e precisa. Tenho pensado muito em uma terceira obra, Fahrenheit 451, que acredito ter uma boa relação com as demais, apesar da “resistência” ocorrer ainda mais sutilmente. Grata surpresa o site.

    • Obrigado pelo elogio, Letícia!
      Fahrenheit é também uma importante obra da tríade distópica (adicionando ai Admirável Mundo Novo) e merece também atenção.

      O site ainda está começando então se for possível compartilhar os artigos com amigos eu ficaria muito agradecido. Até mais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here